segunda-feira, 18 de janeiro de 2010

O Último Guerreiro das Estrelas

Ah, esse aqui é um dos clássicos da Sessão da Tarde de bem antigamente! Esqueça filmes como Guerra nas Estrelas, essa obra de arte dos anos 80 é simplesmente incrível. O Último Guerreiro das Estrelas (The Last Starfighter) durante muito tempo preencheu a imaginação de um pequeno texugo, que sonhava em ser astronauta e viajar pelo espaço, combatendo alienígenas maléficos que queriam conquistar a Galáxia...

Lançado no longínquo 1984, O Último Guerreiro das Estrelas conta a história do garoto Alex Rogan, que mora em um acampamento de trailers (que vidinha chata...). E realmente não havia muito que se fazer lá, considerando que ele basicamente era o faz-tudo do lugar, e a principal diversão dele era um fliperama de um jogo chamado Starfighter. Claro, Alex não era um sujeito tão bobão de só ficar no videogame, ele tem também uma namorada, a meiga Maggie. Uma bela noite, Alex consegue "zerar" o jogo, e de repente aparece um velho muito comédia chamado Centauri dizendo ser o criador do Starfighter. E aí começa...

Acontece que Centauri na verdade é um alienígena, e seu carro uma nave espacial, que leva Alex para outro planeta. Lá, ele acaba descobrindo que o fliper na verdade era um teste, e todos os seres da Galáxia que venceram o jogo haviam sido levados para combater de verdade. Bem, Alex se caga todo e pede para voltar, e chegando na Terra descobre que Centauri havia largado uma cópia sua para que seus amigos não percebessem sua ausência. Após chamar Centauri de volta e se livrar de um alien cabeçudo que queria matá-lo, Alex volta para a base, para descobrir que ela foi atacada. E não sobrou ninguém para lutar, só ele... Com isso, Alex se une a Grig, um alienígena com cara de cobra e risada engraçada, para enfrentar toda a armada, igualzinho ao jogo. Claro, estamos falando de Hollywood e Alex ganha a batalha, para depois voltar para a Terra e buscar a sua namorada...

Como eu sou bonzinho, ainda vai o trailer do filme, traz belas lembranças...



Sinceramente, esse filme é muito legal, simplesmente trouxe para a telona o sonho de todo garoto que jogava um joguinho de nave no Atari e sonhava que fosse real. Sem falar que o filme não deixou de ser um marco na indústria do cinema, sendo um dos pioneiros a usar a animação por computador: todas as cenas de combate espacial foram feitas por computação, tudo bem que para os dias de hoje qualquer joguinho do Playstation é mais realista, mas para a época era algo fantástico!

Claro, sendo um texugo fã de tecnologia, não poderia deixar de dar um certo destaque para a super nave do filme. O Canhão Estelar é simplesmente incrível, tem todo um visual de um X-Wing depois de tomar uns anabolizantes, voa com dois tripulantes, um piloto e um artilheiro, posição ocupada por Alex.

Conta ainda com uma super arma-secreta, o Botão da Morte, que parece um daqueles ataques especiais que vemos nos videogames de nave, com lasers para todo o lado. Mais um vídeo legal, mostrando o ataque que dizimou toda a esquadrilha inimiga.



Também não podemos esquecer o carro-nave todo futurista do Centauri, um design bem legal, ainda mais com suas portas de gaivota.

E tão futurista que o carro ainda foi aproveitado no segundo filme da série De Volta Para o Futuro! É o mesmo carro, ali à esquerda, estacionado bem na frente do Fusca, provando até mesmo no futuro o simpático Volkswagen ainda vai continuar na ativa...

Claro que tem uns personagens bem bizarros, no filme volta e meia tem espaço para aquele humor inocente dos anos 80. Centauri é um figura, acha tudo muito engraçado mas no fundo só quer saber de ganhar dinheiro. Fico imaginando o que levava um ser de outro planeta usar um chapéu estilo Eliott Ness no espaço.

Grig é outro espetáculo à parte, com sua cara enrrugada e a risadinha característica, que parece alguém com falta de ar! O cara é um louco, todo animado em participar de um combate suicida de um contra todos.

Pior de tudo, mesmo com essa cara ele conseguiu arrumar uma esposa, está melhor que este solitário texugo aqui...

A mulher de Grig, mãe de seus 12 mil griguinhos.

Certamente a veia cômica do filme fica por conta da Unidade Beta, um alienígena que imita a aparência de Alex. Acontece que o carinha é muito sem noção, quase acaba com a reputação de Alex perante sua namorada. A cena em que ele tira a sua própria cabeça para fazer um conserto , sob o olhar assustado de seu irmãozinho tarado por revista de mulher pelada, é hilária



E ainda tem o vilão Xur, que traiu o seu planeta e se aliou a um bando de lagartos espaciais. É compreensível a revolta dele, afinal todo mundo de lá tem a mesma aparência escrota, careca com cabelos brancos (até as mulheres!), não é à toa que ele foi afetado por uma crise de identidade e quis matar todos para ser o único.

Mesmo os alienígenas tem problemas de prisão de ventre.

Os aliens inimigos não são menos bizarros, suas caras parecem ameixas podres, tem ainda um deles que fica se fazendo de sofisticado com um monóculo automático...

"O que fazemos?"
"Morremos..."

E para fechar, o prêmio de "galã" do filme vai para os repugnantes Zando-Zan. Com essa carinha de bunda achatada, fico imaginando que a maior dificuldade deles seria comer: afinal de contas, os olhos ficam mais baixos que a boca, como que ele vai acertar a mordida?


E claro que não podemos deixar de falar do jogo em si, não é? No final do filme a Atari prometia que lançaria o jogo Starfighter para um arcade. Infelizmente, a idéia não vingou, surgindo apenas alguns joguinhos espaciais que se diziam baseados no filme, mas na verdade só imitavam o nome...

"Você foi convocado pela Liga Estelar para defender a Fronteira contra Xur e a Armada Ko-Dan."

Foram necessários mais de 20 anos de espera até que um bando de loucos decidiu recriar esse jogo que povoava a imaginação dos fãs do filme. Eles chegaram até a fazer uma réplica perfeita do gabinete do filme, veja aqui no site deles. E o mais legal é que existe uma versão para download do jogo! Simplesmente animal, pode não ser o simulador espacial mais empolgante que existe, mas pelo fator diversão é nota 10. Só para avisar, se você bater o recorde não vai aparecer um carro do futuro na porta de sua casa... Ou não?


Sei que é uma frase manjada, mas realmente não fazem mais filmes como antigamente. O Último Guerreiro das Estrelas é aquele típico filme com uma idéia simples porém bem divertida de um videogame que se transforma em realidade, na minha opinião um grande clássico de ficção científica, que sempre vale a pena ver mais uma vez.

Nenhum comentário: