quarta-feira, 14 de setembro de 2011

Colega de quarto


Viajar sempre é bom... É uma boa oportunidade para conhecer novos e diferentes lugares, passear de avião e ficar num hotel sem ter que se preocupar em arrumar a cama ou limpar o banheiro. E não apenas viajar de férias ou a passeio. Mesmo viajar a serviço pode ser uma experiência interessante, com uma oportunidade de ficar fora do escritório e longe dos problemas do dia-a-dia e respirar novos ares. Acho difícil encontrar alguma pessoa que não goste de viajar...

E em algumas oportunidades, também é legal viajar acompanhado. Afinal de contas, quem não gostaria de viajar junto com uma pessoa de quem você gosta, compartilhar bons momentos em lugares diferentes, não é? Sempre é bom, mas apenas quando a viagem é para lazer... Pois viajar a serviço junto com outra pessoa do trabalho pode ser algo terrível e insuportável.

Não sei se é algo tão comum, mas eu particularmente sempre tive que dividir quarto com outro colega de trabalho em minhas viagens, a não ser que eu estivesse viajando sozinho (o que, felizmente, é mais comum). Acho que todas as empresas que eu passei têm uma política de sérias restrições orçamentárias quando o assunto é viagem, já vi muitos de meus amigos comentarem que costumam ficar sozinhos no quarto mesmo quando há mais pessoas. Sorte deles, pois na imensa maioria das vezes eu tive que aturar um companheiro de quarto que incomodava, sempre me lembrando daquele filme "Antes Só Que Mal Acompanhado".

Ainda bem que nunca passei por essa situação acima!

O problema costuma começar tão logo a porta do quarto é aberta, com a clássica escolha das camas. Cada um tem a sua preferência quando o assunto é cama, eu por exemplo prefiro uma que fique não muito perto do banheiro (você verá depois o porquê), mas que também seja próxima da janela. E quando dá, gosto de que a cama fique quase encostada na parede, fico um pouco mais à vontade ficando próximo desse canto (para, por exemplo, desviar os olhos e não ter que ver o outro sujeito de cueca). Lógico que seu colega de quarto também terá as preferências dele, e com um pouco de sorte os dois chegam a um acordo agradável para ambas as partes. Porém, se você está viajando a trabalho e vai ter que dividir quarto com outro funcionário, sorte realmente não deve ser seu forte...

Até porque se o seu amiguinho for bem afobado e abusado, nem vai dar tempo para que você possa sequer olhar para o quarto e avaliar as opções, ponderando sobre qual das camas escolher: o cara vai adentrar o recinto como uma locomotiva desembestada e vai marcar o território, jogando mala, mochila, casaco, carteira e o que mais der sobre a cama que ele quiser. E caberá a você simplesmente aceitar a outra cama.

O pior é naquela situações onde você chega depois que seu colega, algumas vezes isso é comum. Aí não tem jeito, você pode apostar que ele já terá escolhido justamente aquela cama que você iria preferir. Com sorte, não haverá nada jogado sobre a sua cama, como uma mala aberta ou cuecas usadas... Sério, já aconteceu essa situação desagradável uma vez comigo...

Passada a escolha da cama, é hora de desempacotar tudo. E aí mais uma situação chata, principalmente se o seu colega de quarto for expansivo como um hipopótamo. Afinal de contas, o espaço é limitado, e não tem putaria maior que uma pessoa que usa mais espaço do que é de direito. Tipo aquele sujeito que usa todos os cabides para pendurar suas roupas ou despeja um monte de tralhas sobre a mesa. Nada me deixa mais revoltado, ter que ficar espremendo minhas coisas nos cantos porque um mal-educado fica espalhando tudo pelo quarto.


Mas o pior de tudo é a perda de privacidade... Claro, seria muita estupidez de minha parte imaginar que poderia ficar tão à vontade como estou acostumado em minha casa quando divido o quarto com uma pessoa estranha em um hotel, precisamos ter um mínimo de civilidade e decência para não ficar fazendo certas coisas que fazemos no conforto de nosso lar... Calma, não estou me referindo à nada obsceno, seu mente-suja! Por que será que quando se fala de privacidade sempre imaginam besteira?

É como as mães vêem seus filhos adolescentes... Se é a filha que está demorando no banho, é porque ela está se arrumando pra sair; se é o filho, ele está se masturbando. Se a filha não sai do computador, é porque está vendo facebook ou msn; se é o filho, está vendo site de putaria e se masturbando. Se a filha fica horas trancada no quarto com as amigas, estão conversando ou fazendo as unhas; se é o filho com os amigos, eles estão vendo revistas de pornografia e se masturbando... ou usando drogas.

Enfim, voltando à programação normal... Como eu estava dizendo, ao rachar o quarto com outra pessoa do trabalho, você precisa evitar certas coisas que costuma fazer em casa. Coisas como largar uma cueca com uma freada em cima da mesa, ficar coçando o saco feito um macaco no cio ou soltar uma bufa. Não que eu faça isso em casa, mas na eventualidade de precisar liberar um vento pelo meu orifício retrofuricular, dá para fazer isso em casa. Mas não dividindo o quarto com alguém do serviço... Não só seria uma grande falta de respeito e de um mínimo de civilidade, mas isso pode criar uma mancha na sua carreira profissional, se o seu amigo espalhar no escritório sua fama de peidão. É lógico que, embora você venha a tomar cuidado para não fazer certas coisas, não significa que seu colega de quarto fará o mesmo por você. Já perdi a conta de com quantos peidões tive que rachar o quarto...


Mas a falta de privacidade também afeta outras questões menos toscas. Por exemplo, se você quer ligar para sua namorada/amante/esposa... É bem chato ter o sujeito ali do lado, escutando tudo, o que te deixa sem jeito de falar algumas intimidades.

Desagradável também é a escolha do canal de televisão. Felizmente eu sempre costumo ser mais rápido para pegar o controle, e dessa forma consigo escolher algum programa mais assistível, como um filme ou desenho animado. Simpsons, por exemplo, sempre é uma boa pedida. Mas quando o seu colega de quarto pega o controle, pode apostar que só vai colocar em programas bem insuportáveis, tipo esse...


Sério, já tive que dividir quarto com um puto que gostava de ver R.R. Soares...

Ah, e quando chega a hora de apagar as luzes e ir dormir? Me desculpe, mas puta que pariu! Essa é uma das piores coisas que tem... Sabe por quê? Porque sempre, eu digo, sempre você terá o azar fudido de rachar um aposento com um porrento que ronca pra burro! Todas as vezes eu tive essa infelicidade, tendo que suportar uma criatura que mais parecia uma serra enferrujada dormindo na cama ao lado. Cacetada, tem vezes que dá pena das esposas desses sujeitos, como será que elas aguentam ter que dormir todos os dias com essa sinfonia de laringe. Por isso que as viagens à serviço são tão cansativas, é difícil dormir com o sujeito lá urrando feito um rinoceronte asmático, pombas!

Ah, mas acho que tem outra coisa intragável de dividir o quarto com alguém do trabalho, e tem a ver com o uso do banheiro. Sim, senhor(a)... Taí uma das coisas mais abomináveis de se aturar.


Às vezes fico pensando se só eu que tive um mínimo de educação para usar o banheiro de maneira limpa, tem horas que penso que sou fresco demais, mas acho que não estou exagerando. Muitas vezes tive o desprazer de viajar junto com sujeitos que eram verdadeiros porcos; Porcos mesmo, desses que parece que não sabem se limpar direito, deixando aquela toalha toda amarelada pendurada no box (e o nojo para tirar a toalha dali, puta merda?), ou que não puxam a descarga duas vezes para mandar para o esgoto o submarino de barro que largam no vaso. Claro, sem falar no cheirinho agradável de peidos silvestres que deixam no recinto depois de esvaziar os intestinos.

Por exemplo, teve uma vez que eu realmente passei por uma cena digna do "Antes Só que Mal Acompanhado", de chegar no banheiro para escovar os dentes e ver o piso todo cheio d'água, toalhas imundas no chão e tufos de pêlos largados pelos cantos, o que eu esperava (até rezava, e olha que não sou religioso) que não tivessem caído das bolas de meu colega de quarto. Na boa, desisti de escovar os dentes, preferia começar o dia com bafo de onça do que ficar mais um segundo naquela pocilga imunda! Deu pena da camareira que ia ter que desinfetar o banheiro depois...

Por essas razões normalmente nas viagens eu costumo acordar bem cedinho, o que não é difícil devido aos roncos intermináveis, para já fazer tudo desde a cagada matinal até o banho despertador, evitando assim ter que usar um banheiro todo bagunçado.

Nessas horas dou muito valor à minha casinha... Pode não ser grandes coisas, mas pelo menos não tenho que dividir com uma criatura porca, incômoda e inconveniente como costumam ser meus colegas de quarto em viagens de serviço. Não tem coisa mais chata do que isso. E o pior... Em breve vou ter que fazer uma viagem à trabalho, e posso apostar que vou ter que passar por todo esse perrengue de novo.

Se pelo menos fosse uma companheira de quarto como essa gracinha abaixo, iria amarradão!


Mas sei que o que me espera é algo tão aterrador como isso...


Nenhum comentário: