domingo, 20 de maio de 2012

Vai viajar? Me traz um...

Outro dia eu estava lá no trabalho, em uma daquelas paradas estratégicas no bebedouro para dar uma desafogada na mente, junto com alguns outros colegas do escritório. Conversa vai, conversa vem, o assunto era sobre os novos gadgets e tudo mais, até que um deles (o mais mala, diga-se de passagem) se dirige para um outro:


"Ah, você vai viajar pros States, né? Tu pode me trazer um iPhone?"

E isso foi o que me levou ao tema dessa postagem, para falar de um costume que muitas, mas muitas pessoas têm por aqui, que é de pedir coisas para amigos e familiares quando estes viajam. Algo que eu pessoalmente detesto, acho a maior sacanagem e abuso!

Trata-se de algo que sempre foi bastante rotineiro para os brasileiros, pois é indiscutível o fato de que muitas coisas lá fora são melhores e mais baratas do que aqui. Se você for pensar no próprio caso do iPhone 4S, o novo objeto de desejo da maçã mordida, fica bem evidente a diferença de onde comprar. Vamos comparar o preço de partida desse aparelho, começando com a loja brasileira...


Tá, aqui temos que pagar no mínimo R$ 2600,00 para ter um iPhone de última geração, isso o modelinho mais básico, de 16GB, se quiser o top do top com 64 GB, vai ter que desembolsar R$3400,00. É uma senhora facada...

Aí, vamos ver por quanto sai o mesmo iPhone, na Apple Store americana...


Cara, apenas 200 dólares! Pôrra, se a gente faz com uma cotação de 1 dólar = 2 reais, a gente chegaria a um custo equivalente de R$400,00 pelo mesmo iPhone! Puta que pariu, é 6,5 vezes mais caro comprar um maldito iPhone aqui nesse país de bosta!
 
Deixando de lado essa grande putaria das taxas de importação e impostos brasileiros que colocam os preços dos eletrônicos nas alturas, não é à toa que quando a pessoa tem a oportunidade de viajar para o exterior, uma das coisas mais comuns que se faz é trazer coisas de lá, especialmente eletrônicos, para fugir desses valores exorbitantes (embora ainda sujeitos aos limites e tarifas alfandegárias, mas mesmo com elas ainda ficando mais barato que comprar aqui).

E não é só coisas assim mais novas que saem barato. Por exemplo, lá nos EUA as lojas costumam sempre reduzir o preço dos itens mais antigos, se o produto já saiu de linha, se já tem uma nova versão no mercado ou se já passou todo aquela febre do lançamento, os preços tendem a cair. Veja o mesmo exemplo do iPhone, a versão 4 sai lá fora por 100 dólares, metade do preço do modelo atual. Coisas que não acontecem aqui no Brasil, onde os preços das coisas mais antigas pouco se reduzem, e muitas vezes até aumentam!

Tudo bem, já vimos que realmente comprar certas coisas lá fora é mais vantajoso, mas para isso, é necessário ir lá pra fora. Mas nem todo mundo tem condições de viajar para o exterior: pode ser por uma questão financeira (afinal, as passagens não são baratas), por falta de tempo, por causa de outras responsabilidades (como filhos, trabalho, etc) ou por pavor de avião. E mesmo quem tem condições, certamente não é capaz de fazer uma viagem desse porte toda vez que quiser fazer umas comprinhas, fica complicado e caro fazer, digamos, uma meia dúzia de viagens para o exterior.


A não ser que você seja o Eike Batista, ator/atriz da Globo ou um político. Nesse último caso, de preferência às custas do povo. Nem que a justificativa seja visitar o exterior para debater com as autoridades locais as melhores formas para enfrentar uma infestação de ornitorrincos albinos durante uma tempestade de neve. Claro, tendo que levar a família junto, pois é desumano para um político ficar alguns semanas sem ver a sua família... Voltemos à programação normal...

Vamos ver se agora eu não perco o foco... Enfim, aí essas pessoas que não podem viajar tentam aproveitar qualquer oportunidade para que se tragam coisas para elas, e com isso temos os famosos pedidos de viagem. Chegam ali, cheio de amor pra dar, e pedem para que os amigos comprem lá fora algo que eles queiram. Sabe, muitas vezes as pessoas dizem que eu sou egoísta, e nessa situações de viagem não é diferente, pois quando é comigo mando logo tomar suco de cajú e não me encher o saco, dizendo que não vou trazer pôrra nenhuma. Mas tenho convicção da minha postura e vou explicar o porquê.

Uma das primeiras coisas que me fazem odiar esses pedidos é que tem gente que acha que somos obrigados a trazer coisas para amigos e familiares quando viajamos. Não tenho obrigação não, cacete! Se eu estou fazendo uma viagem de férias, minha obrigação maior é me divertir, descansar e curtir a viagem. E se em algum momento existir na minha lista de prioridades fazer compras, vão ser compras PARA MIM e não para os outros! Não estou viajando como muambeiro, quer que eu vá lá pros Estados Unidos com a obrigação de trazer bugigangas, então que pague as minhas malditas despesas! Paga a minha passagem, meu hotel, minha alimentação então!

Não estou falando de lembranças, não vejo problema nenhum trazer alguma lembrança para a família e amigos mais próximos. Mas lembrança é uma coisa que a pessoa que está viajando é quem escolhe, não é uma compra premeditada nem forçada. Na minha opinião, a lembrança é algo que tem um maior valor sentimental do que material, uma forma de você dizer para alguém "estava viajando mas lembrei de você". E também é alguma coisa baratinha, tipo um chaveiro, uma guloseima, ou até mesmo aquelas moedinhas prensadas que tem em alguns parques de diversão lá fora.


Engraçado isso... Você pegava um daqueles pennies (a moedinha de 1 centavo) e mais 50 centavos e os colocava na maquininha, que pegava a moeda e a prensava, gerando assim uma medalhinha como essa aí de cima. Coisa típica da Disney, com inúmeras máquinas espalhadas por vários cantos com modelos diferentes... Enfim, vamos continuando...

E olha que tem gente que é tão interesseira e filha da puta que reclama mesmo quando ganha uma lembrancinha de viagem. Sério, já tive que escutar piadinha de amigos, quando eu dava uma lembrança mais simples, dava pra ver a expressão de desdém deles, me achando mesquinho e pão-duro. Por isso que tem gente para quem eu não trago nem um guardanapo usado de lanchonete como lembrança...

O pior é que tem pessoas que exageram nessa de fazer pedidos de coisas para serem trazidas. Eu me lembro até hoje, quando eu era pequeno e viajei com meus pais para a Disney, coisa que um texuguinho moleque se amarra. Me lembro que certa vez uma tia ligou para a gente, convidando para passarmos lá na casa dela, isso algumas semanas antes da viagem. Chegamos lá, a visita foi curta, ela só queria nos entregar uma lista de "algumas coisinhas" para trazermos, aproveitando que iríamos viajar (claro, eram os anos 80, não havia ainda e-mail, a lista tinha que ser entregue fisicamente). Cara, me lembro perfeitamente, era uma folha de caderno, daqueles grandes, com frente e verso preenchidos! Tinha pedidos da tia, do tio, dos primos, da sogra, da amiga, do papagaio, de todo mundo! Me lembro que só trouxemos acho que uma das coisas, que era um brinquedo para meus primos pequenos, e minha tia ficou puta da vida com a gente, por não termos trazido tudo da lista, devia ter chamado a gente de tudo que se pode imaginar, acredito que na cabeça dela a gente tinha a obrigação de bancar o Papai Noel e trazer tudo... Acho que foi dessa época que comecei a odiar essa de pedir coisas...

Outra questão muito recorrente é que as pessoas conseguem ser muito sem noção, e fazem pedidos simplesmente absurdos! Coisas imensas, gigantescas ou extremamente frágeis, exigindo todo um cuidado no transporte. Só para citar alguns casos, já vi gente que pedia para que se trouxesse um amplificador para guitarra, um avião de controle remoto e até mesmo (acreditem!) um boneco de pelúcia do Barney, aquele dinossauro roxo e escroto, de 1 metro e meio de altura!

"Urso bonito..." 
"É, foi um %$*@# dum amigo que pediu pra eu trazer..."

Ou então alguma coisa que não pode ser encontrada em lojas normais, obrigando o sujeito a desviar de seu caminho. Lembro o que aconteceu com um amigo do trabalho, que estava indo à serviço para Miami, e chegou outro colega nosso e pediu para ele trazer alguma coisa, não me lembro exatamente o que era, mas que era extremamente especial, coisa que só se encontra em uma loja específica, só pra dificultar. Mas ele foi "camarada", pois tinha pesquisado o endereço dela. Que era em Orlando, a apenas 400 quilômetros de Miami.

Quando o sujeito que estava viajando reclamou dizendo que ele ia para Miami e não planejava ir para Orlando, vem o espertinho e diz "Ah, mas são o que, umas 4 horas de viagem de carro? Vai no fim de semana dar uma passeada lá conhecer a cidade, e aproveita pra trazer isso pra mim...". Não me lembro como que esse nosso colega respondeu ao pedido sem-vergonha... Mas, se fosse eu, teria mandado o cretino chupar um prego e diria que iria sim passear em Orlando mas sequer pisaria na maldita loja, e se ele não gostasse que enfiasse os dez dedos no... esfíncter e rasgasse! Puta que pariu, gente abusada pra cacete!

Tem outra razão que justifica essa minha revolta contra pessoas que pedem coisas quando viajamos. Como disse, as autoridades alfandegárias brasileiras impõem limites no valor de itens que são trazidos, ou pagamos imposto. Soma-se a isso o próprio limite de bagagem ao viajar no avião. Será que as pessoas não percebem que ao trazer coisas para elas isso reduz a quantidade de coisas que o coitado que está viajando poderá trazer para si mesmo? Imagina se eu viajo para o exterior com a intenção de comprar alguns produtos eletrônicos, mas recebo 10 pedidos de iPhones de amigos? Fudeu... Quem é que vai passar pelo perrengue aqui quando chegar, quem é que vai ter que "molhar a mão" dos guardas ali para deixar passar com toda essa carga?

Foi uma vez que um primo "aborrescente" meu, abusado que só ele, descobriu que eu estava viajando para os EUA à serviço. Teria pouco tempo para mim, coisa de alguns poucos dias, mas iria aproveitar uma passada no shopping para tentar comprar algumas coisas para mim, como uma câmera digital e até mesmo um Playstation Portable (este último que acabei desistindo). Aí vem esse meu primo e me pede para comprar para ele um Playstation 3 e mais uma dezena de jogos! Expliquei que não daria, que eu já estava planejando comprar coisas para mim, e trazendo tudo aquilo eu iria ter que pagar um valor alto de imposto aqui na alfândega. E me vem o moleque e diz "ah, mas aí você paga, né? Ou então não compra tua câmera, e traz o PS3 pra mim!". Ainda não sei como não mandei ele tomar dentro e encher o saco do pai dele para comprar aquela merda...

E tem ainda outro ponto muito chato nesses pedidos, que até quase aconteceu nessa viagem em particular, que é a hora do acerto de contas... Afinal de contas, na imensa maioria das vezes o pidão só quer dar o dinheiro depois de receber o "presente", nunca antes. Normalmente usando o argumento de "ah, vai que você não encontra, aí vai ter que devolver o dinheiro" ou "sabe lá como vai estar a cotação do dólar"... Ou seja, esses folgados ainda querem que a gente pague do nosso bolso, para depois sermos reembolsados, é mole? Foi o que aconteceu nesse pedido do Playstation, o meu tio ainda chegou depois e disse se não tinha como trazer pelo menos o console para o filho. Perguntei (só por educação, pois minha intenção era não trazer nem uma foto de um Playstation) quanto à questão da grana, e vinha meu tio e diz "ora, você paga, e depois nós vemos como fica... quando eu tiver o dinheiro te pago...". Quando tiver o dinheiro, viu só que abuso? Por isso que digo mais uma vez que família é foda...


Vi um caso parecido certa vez no meu antigo trabalho também, tão absurdo que vale a pena contá-lo... Um colega viajou para os EUA, e logo surgiu um pidão lá do escritório querendo uma câmera digital, com a mesma conversa do "depois eu te pago". Foi lá esse meu colega, viajou pra lá e trouxe a maldita câmera para o abusado, veja só a sacanagem e a pouca vergonha desse puto!

Primeiro que esse meu colega estava de férias, e ainda tinha duas semanas até ele voltar para o trabalho. Não é que o pidão, tão logo soube que nosso colega havia voltado dos Estados Unidos, pegou o telefone, ligou para o celular pessoal dele e perguntou se ele não podia dar uma passada no escritório para levar a câmera? Sério, juro que o calhorda perguntou isso, ele trabalhava bem do meu lado no escritório e não acreditei no que eu estava ouvindo! Eu cheguei até a interromper, dizendo o quanto achava aqui absurdo, felizmente o cara do outro lado da linha disse para ele esperar. E o abusadinho ficou putinho, resmungando pelos cantos! Puta que pariu, o cara faz o favor de trazer uma câmera e o sujeito ainda fica reclamando? Vai tomar no rabo!

Bom, passaram as duas semanas, e foi engraçado como esse nosso colega voltou de férias... Tão logo ele retornou ao escritório na segunda-feira, vai lá o pidão cheio de ansiedade na mesa dele, que era perto, dizendo algo como "Oi, tudo bem? Como foi de férias? Tá com a minha câmera?". Entregue a câmera, o pidão nem falou nada de grana, não perguntou quanto foi nem nada, só agradeceu de maneira bem rápida e seca. Talvez o pidão ainda estava puto com nosso colega, que havia sido muito "egoísta" por não ter ido no escritório nas suas férias assim que chegou de viagem, para que pudesse entregar a câmera o quanto antes. E, repito, sem nem comentar nada a respeito de pagamento.

Aí o cara que tinha viajado falou a respeito, disse que tinha sido um valor X, já convertido para reais. A resposta do abusado foi apenas "Ah, tá... Tá certo... Mas, sabe como é, mês tá acabando, tem umas contas pra pagar... Posso te pagar semana que vem?". Pombas, se é comigo, mandaria cara se fuder, que pagasse naquela semana, ou então pegava a câmera de volta e só entregaria quando ele pagasse. Mas esse nosso colega era muito bonzinho, e aceitou... Passou uma semana, duas semanas, três semanas... E nada!

Para encurtar a história, que já está indo para o quinto parágrafo, depois de muita insistência o pidão só pagou pela maldita câmera quase um mês e meio depois! E o pior: o cara foi tão filho da puta que pegou o preço da câmera em dólares (que estava na nota fiscal) e fez a conversão considerando o câmbio naquele dia que ele ia pagar, que convenientemente estava mais favorável para ele (havia tido uma flutuação no dólar naquelas semanas), resultando num valor menor. Foda, consegue alguém para fazer um favor e ainda tem que levar vantagem... Não duvido nada que ele ficou segurando o pagamento o máximo possível, até o momento que a conversão cambial permitisse que ele pagasse menos... Com gente assim, esse país vai pro buraco mesmo...


Isso mostra como tem gente abusada nesse mundo... Quando meus amigos e familiares vão viajar, eu nunca peço nada, pois acho que isso é um grande incômodo, pelas razões citadas acima. Pombas, não é toda hora que as pessoas conseguem viajar, nada mais justo que deixá-las aproveitar a viagem para ver coisas para elas. Mas quase ninguém mais pensa assim, quando ouvem que alguém vai viajar já começam a fazer listas e tudo mais, com aquela ansiedade desenfreada em que tragam coisas de fora.

E o pior de tudo é que hoje em dia não precisa de tudo isso, ficou tão mais fácil. Tantas lojas estrangeiras fazem frete aqui para o Brasil, e tem tanta coisa que é lá de fora e hoje encontramos aqui. Sério, certas pessoas não lembram de tempos que batatinha Pringles, chocolate Snickers e tênis da Nike eram itens de luxo que só dava pra comprar lá fora, hoje você encontra em qualquer lugar... Claro, sai um pouco mais caro, mas se você não vai viajar pra fora do país, essa é a melhor maneira. É o que costumo fazer, por mais que me chamem de idiota e babaca, não me incomodo de pagar um pouco mais comprando aqui algo que poderia ser comprado lá fora, prefiro assim do que dar trabalho para quem está viajando... E, além disso, em último caso dá para dar uma vasculhada no Mercado Livre e outros sites, tá cheio de gente que faz essa muambada, que traz lá de fora as coisas e vende aqui, com preços bem interessantes.

Mas, não adianta... É muito mais fácil, conveniente e barato pedir para o amigo ou familiar que está viajando que traga. Se vai dar trabalho, se vai incomodar ou ocupar espaço, ninguém está preocupado, é problema de quem está viajando...

Já aviso para todo mundo, quando vou viajar não adianta me pedir nada, pois não vou trazer pôrra nenhuma! Não vou ficar ocupando espaço na minha mala com coisas que são para os outros e não para mim, não vou perder tempo passando em lojas que eu não tenho razão para ir só para trazer algum pedido e não vou limitar a minha cota de importados e eletrônicos para atender algum pidão. Pode me chamar de egoísta, de amigo da onça, do que for... Na minha mala, só vai aquilo que eu quiser!

Um comentário:

Alôcka disse...

Chato mesmo!
Quando me pedem favores semelhantes eu digo que vou fazer SE DER pra fazer, senão, paciência.E se eu não estiver com vontade, não faço e digo que não deu tempo, etc, qualquer desculpa, ehehe!
Quando meu irmão foi conhecer vários países do leste europeu, eu só pedi que trouxesse umas pedrinhas bonitas que achasse no chão, mas isso pq eu sou meio louca mesmo, ahaha!Ele não trouxe as pedras(humpf!), mas trouxe umas pinhas caídas das árvores e moedas variadas, então tá bom, lembrou de mim e eu gostei!