terça-feira, 18 de março de 2014

Nome complicado

Ultimamente se fala muito da situação na Ucrânia, onde uma grande disputa entre a parcela favorável à União Européia e os grupos pró-Rússia vem ocorrendo há meses, tendo atingindo momentos bem críticos recentemente, com a saída do presidente eleito e um referendo realizado na tensa região da Criméia em que seus habitantes se dizem a favor da emancipação e anexação da região ao território russo. Uma situação bem complicada mesmo, há até quem diga que o que ocorre na Ucrânia hoje parece-se muito com o que ocorreu na Polônia, meses antes da Segunda Guerra Mundial. Algo que eu acredito (e torço muito) que seja um exagero, e que logo a situação se normalize por lá.

Tenho meus motivos, não vou apresentar aqui por razões pessoais. Mas tenho minhas razões para torcer que a situação na Ucrânia se normalize, e que não tenhamos um banho de sangue com o princípio de uma guerra.

Enfim, tentando dar uma relaxada diante de tal assunto crítico (mas sem em nenhum momento querendo minimizar a importância e a seriedade do que está acontecendo), uma figura que tem aparecido cada vez mais nesse momento é o presidente russo Vladimir Putin. Com sua expressão fria, é o tipo de político que não leva desaforo pra casa, e que não está tendo medo de bater de frente contra o Ocidente, fazendo toda a pinta de grande estadista vermelho, tipos aqueles vilões comunistas de filmes de guerra dos anos 80 como Rambo e similares.


Aliás, estava vendo uma reportagem falando justamente a respeito disso, que Putin tem mesmo esse perfil, que ele é visto na Rússia como um grande líder que vai comandar a nação com mão de ferro e enfrentar as ameaças de fora (entenda-se EUA, que imagino que ainda não são muito bem-vistos na terra da vodca). Sim, muita gente na Rússia o vê dessa forma, comparando-o a nomes como Lênin e Stalin, que levaram a União Soviética à condição de potência mundial algumas décadas atrás, até ela se esfacelar com a queda do muro de Berlin e a derrotada do socialismo, juntamente com o fim da Guerra Fria que deixou muita gente com o orifício retrofuricular na mão.

Curioso é como dizem que isso tem a ver com o nome: Lênin, Stalin, Putin, todos terminando em "in", como se isso fosse sinônimo de nome forte, de que isso é um sinal de força e poder. Só se esqueceram desse outro cujo nome terminava da mesma forma...


Tá aí um presidente divertido. Bons tempos onde a "Guerra Fria" era pra ver quem pagava o maior mico, com um Yeltsin que sempre estava trêbado de um lado e um Clinton que ficava dando uns pegas na estagiária do outro...

De qualquer forma, como o Putin está ficando muito falado ultimamente, começaram a falar de várias coisas dele, inclusive de uma de suas filhas. Apresento Yekaterina Putina, a filha mais nova do presidente, muito jeitosinha e lindinha, como se espera das moças de origem eslava.


Putina? 

Com todo respeito à garota, mas como diria o José Simão, com um nome desse ela corre o risco de ser uma predestinada!

Nenhum comentário: