domingo, 18 de janeiro de 2015

Dura Lex, Sed Lex

Não, eu não estou ficando maluco com esse título. Trata-se de uma expressão em latim que significa algo como "a lei é dura, mas é a lei". E acredito que se encaixa perfeitamente no momento de agora, após do ocorrido no último sábado, quando tivemos a execução por fuzilamento do brasileiro Marco Archer na Indonésia, após ter sido pego entrando no país com quase 15 quilos de cocaína escondidos nos tubos de sua asa delta. Ele foi preso em 2003 e recentemente recebeu a sua sentença se morte, que foi executada em questão de poucos dias neste último fim de semana.


Não precisa dizer que todo esse episódio gerou toda uma comoção de parte dos brasileiros, incluindo aí o nosso governo, que tentou de tudo para pedir clemência ao presidente indonésio, sem resultados. Toda uma comoção que foi seguida de revolta e indignação de nossa “presidenta”, que não concordou com as medidas do governo indonésio, mesmo após tantas tentativas que ela fez para conversar com o presidente da Indonésia para pedir uma maior compreensão contra o caso, condenando ainda o uso da pena de morte.

Sim, um assunto bem polêmico... E como não podia deixar de ser, este texugo vem aqui para expressar a sua opinião, com a certeza de que vai pisar no calo de muita gente, mesmo observando que muitas pessoas pensam da mesma forma do que eu.

Na minha visão, foi feito o correto sim. A única coisa que lamento é que tal tipo de punição severa a traficantes de drogas não seja aplicada em países como o Brasil, que são praticamente paraísos para quem quer traficar drogas internacionalmente. E, senhora presidente Dilma (sim, presidente... pois “presidenta” é coisa do vocabulário de petralhotários idiotas), não tem nada que ficar indignada pôrra nenhuma!


Fato: o Marco Archer era um traficante de drogas. Ponto. Conforme algumas reportagens relatam (como essa aqui), essa era na prática a sua profissão, essa bobagem de instrutor de asa-delta é só fachada para justificar as suas constantes idas e vindas para a Indonésia. E mesmo que venha a aparecer aqui algum boboca dizendo que reportagens como essas são calúnias escritas pela mídia golpista de direita... Fato é que ele entrou no país lá com mais de dez quilos de cocaína. Pode ter sido a única vez, mas ele cometeu sim um crime. Tanto que ele fugiu do aeroporto, sendo encontrado dias depois antes de conseguir ir para outro país. Não tem discussão quanto a isso, ele era um criminoso. E lá na Indonésia a tolerância é zero quanto a esse tipo de crime. Era algo que ele sabia, e pagou por isso.

São coisas do Brasil... Aqui nessa pocilga a maioria do povo tem essa mania de simpatizar com o bandido, de tentar entender o seu lado, de encontrar uma justificativa para o que ele fez, de torná-lo uma vítima. Lembra daquele filho da puta do ônibus 174? Criaram toda uma "aura" em cima dele, pois ele era um pobre coitado, que viu seus amigos serem mortos na chacina da Candelária, e por isso ele foi levado a se tornar um criminoso... Mesma coisa já está sendo feita com Archer: vi uma reportagem na televisão dizendo que ele estava traficando drogas para pagar as contas do hospital na Cingapura, onde ficou depois de um acidente, querendo pagar de volta o dinheiro que seus amigos enviaram para trazê-lo de volta ao Brasil para concluir o tratamento. Pode apostar que vão fazer um filme, colocando ele na posição de coitadinho, de incompreendido, que estava traficando drogas com boas intenções...

Cara... Os fins não justificam os meios...

Pode parecer extremismo de minha parte, mas é como aquele velho exemplo que muitas pessoas comentam, como por exemplo, achar que um sujeito que rouba um litro de leite para alimentar a sua família faminta não pode ser punido. Pode, e deve. Cometeu um crime, roubou um produto de uma padaria ou mercado, é sim um criminoso e tem que pagar pelo crime que cometeu. Não interessa se ele tinha a melhor das intenções. 


Logicamente que existem crimes mais graves que os outros. Em nenhum momento estou dizendo que uma pessoa que roubou alguma coisa de uma loja tenha que levar uma bala na cabeça, antes que venha a aparecer algum cretino dizendo que eu falei isso. Há crimes e crimes, mas todos são crimes, e todos têm a sua punição. Logicamente que a justiça deve aplicar uma punição coerente, com base em uma série de quesitos, como a gravidade do crime, por exemplo. E essa punição precisa ser tal que venha não só a punir o réu da maneira que se deve, mas também como um incentivo para os outros, como uma forma de coibir que outras pessoas venham a cometer os mesmos crimes, por medo de sofrer a mesma punição. Pode parecer ruim, mas é só assim que funciona.

Foi a postura do governo da Indonésia ao instituir a pena máxima para aqueles que traficam drogas. é uma decisão do país, buscando assim erradicar uma das mazelas da sociedade que é o tráfico de drogas. Não é a única solução, lógico; mas pode apostar que neguinho vai pensar duas vezes antes de querer levar cocaína, maconha ou outras drogas para aquele país.

Algo totalmente diferente do que temos aqui nessa bola de lama que chamamos de Brasil. Essa merda aqui é o país da impunidade, onde todo mundo sabe que vai poder fazer o que quiser e nada vai acontecer. Temos uma justiça lenta, que leva décadas para resolver questões críticas, enquanto os réus logicamente ficam aguardando em liberdade; temos os políticos e juízes que sempre se protegem pelo foro privilegiado, que como o nome sugere sempre os protege, praticamente permitindo que cometam crimes pelos quais meros mortais não seriam condenados; temos aqui os "di menor" que têm toda uma proteção da lei, que permite que cometam qualquer crime, inclusive matar, sob a garantia de que ao chegar à maioridade vão ser automaticamente perdoados; e sem falar nos criminosos que possuem regalias absurdas, como o "direito" de poder sair da cadeia em certas datas como dias das mães e Natal, para não voltarem mais...


Como dizem, o Brasil é o país da piada pronta.

Claro que vão aparecer as pessoas condenando a pena de morte, dizendo que tal punição é demais, que é desumana. Mas eu não acho não. Novamente, eu penso que para certos crimes hediondos, de alta severidade, a punição tem que ser essa mesmo, por dois motivos. Primeiro, esse tipo de criminoso é que nem barata, deve ser exterminado. Por mais que possa soar extremamente desumano, nós não precisamos de gente como Marco Archer nesse mundo, como não precisamos de gente como Champinha, como Fernandinho Beira-Mar, como o Bruno do Flamengo. São criminosos, gente do mal, gente que não faria nenhuma falta se fossem apagados. Pois esse tipo de pessoa acaba sendo responsável, de forma direta ou indireta, pela morte de muitas pessoas inocentes, pessoas de bem, por destruir famílias inteiras por conta de seus crimes. 

Sim, considero Marco Archer da mesma laia que essas pessoas. Alguém pode dizer "ah, mas ele não matou ninguém, estava só traficando drogas...". Só traficando drogas, cara-pálida? 

Muita gente parece não se dar conta (ou convenientemente fecha os olhos) para o fato de que o tráfico de drogas está sim associado à violência. Quantas pessoas só aqui no Brasil já perderam a vida ou sofreram algum tipo de agressão por causa das drogas? E não estou falando dos traficantes e usuários, esses podem morrer à vontade. Falo a respeito das pessoas inocentes, como o pai de família que é vítima de bala perdida durante uma ação policial contra o tráfico, a criança que é espancada até à morte pelos colegas de favela associados ao tráfico, a mãe que foi espancada por não ter dado mais dinheiro pro seu filho drogado, a pessoa que estava lá na rua cuidando de sua vida até ser assaltada por um viciado que sem cerimônia puxa o gatilho e o mata. Pode apostar que isso acontece também lá na Indonésia, só que lá o governo toma uma atitude mais direta para combater isso.


Será que a senhora dona presidente Dilma iria se sensibilizar se uma criança indonésia perdesse a vida por conta do tráfico de drogas? Por causa de homens como Marco Archer que levam drogas para aquele país?

Fala sério... As autoridades desse nosso país são uma vergonha. A nossa "presidenta" se sente indignada por um criminoso brasileiro ter sido executado como manda a lei de um país estrangeiro, mas fica caladinha diante da morte daquele rapaz no ponto de ônibus em Botafogo? Nenhuma autoridade, nenhuma ONG, tipo Viva Rio ou Anistia Internacional, foi lá apoiar a família desse rapaz que teve a sua vida interrompida cruelmente, mas essas mesmas autoridades e instituições declaram repúdio à execução de um traficante de drogas? Que bosta de país é esse?

Certamente o Marco Archer deve ter passado seus últimos dias de uma forma terrível. Eu não consigo imaginar o quanto pode ser triste e frustrante ver as horas passarem e saber que você está com os dias contados, ter a certeza de que em um dado momento ele levaria um tiro e morreria, que sua vida seria interrompida naquele dia, que depois daquilo tudo acabaria, sua vida iria simplesmente parar de existir, tudo aquilo que ele gostava de fazer, jamais faria de novo. Não deve ser fácil... 

Mas, por outro lado... E as vítimas do tráfico de drogas? E quanto a essas pessoas? Para elas eu penso ainda ser pior, pois você está lá, numa boa, andando na rua, pensando na sua vida, planejando o seu futuro, seja a curto, médio ou longo prazo. Tipo, pensando no que vai fazer no seu fim de semana, imaginando como serão as férias com sua família, sonhando em como seria o casamento com a mulher de sua vida... e do nada, aparece um drogado com uma arma na mão e acerta um tiro na sua cabeça... Acabou. Sua vida é interrompida, talvez até sem nem você ter a consciência, em um instante simplesmente tudo deixa de existir para você. 

E tudo isso em parte graças à existência de pessoas como Marco Archer, que traficam droga. Ele pelo menos teve o tempo para pensar em sua vida, para ficar em paz com seus demônios, para refletir sobre o que fez, já sabendo quando que a cortina vai baixar e tudo vai acabar... Enquanto que muitas vítimas do tráfico têm as suas vidas interrompidas de forma tão brutal, tão repentina. É desses que eu tenho pena, e não desse criminoso.

Uma coisa interessante é que ninguém pode criticar a Indonésia por tomar tal decisão. Vou usar aqui uma frase que os petralhas adoram estufar o peito e dizer: Dilma e companhia precisam respeitar a soberania nacional da Indonésia. Acontece que essa de respeitar a soberania do governo alheio depende muito de o quanto esse governo é aliado ao interesse do partido. Quando no panamericano os atletas cubanos pediram asilo, o governo preferiu respeitar os interesses de Cuba, e não pensou duas vezes para mandar os caras de volta pra ilha do Fidel (onde não seria surpresa que tenham sido punidos por traição ao governo castrista); quando aquele Cesare Batistti, criminoso italiano, vei se refugiar aqui e a Itália pediu a sua extradição, aí o respeito pelo governo europeu foi deixado de lado, valeu mais usar a "soberania nacional" para acolher em terras tupiniquins um bandido que compartilha os mesmos ideais "democráticos" do PT; quando colocaram aquela lei de fichamento de norte-americanos aqui no Brasil, somente com interesses revanchistas, novamente o Brasil veio posar de soberano a dizer que eles podiam fazer o que quisessem ao forçar os estrangeiros passar por todo o constrangimento de serem fichados. 

É a mesma coisa agora, pois por algum motivo qualquer (talvez Archer fosse simpatizante do PT, sei lá), o governo brasileiro ficou indignado com sua execução. Será que se fosse um norte-americano executado lá na Indonésia a Dilma ia ficar assim tão bolada? Ou será que se fosse um brasileiro condenado à pena de morte na Síria ou em Cuba, será que haveria toda essa comoção e agressão diplomática contra esses países?

Duvido!

Bom, o que digo é que esse é menos um criminoso em nosso mundo. Acho que as pessoas deveriam se sensibilizar mais com as pessoas inocentes que perdem suas vidas por conta de crimes como tráfico de drogas, e não por causa de um criminoso. Me surpreende a quantidade de lágrimas que estão sendo derramadas por Marco Archer,toda a indignação por conta de um, enquanto que a sociedade se mostra indiferente diante de tantas vítimas da criminalidade. Se é assim que nosso povo quer ser, estamos realmente condenados.

4 comentários:

Anônimo disse...

"Não, eu não estou ficando maluco com esse título."

Ué você não é o texugo maluco?

Mas eu concordo com você e ainda penso assim , se ele tava vendendo drogas e contribuindo para destruir famílias na Indonésia , então a Indonésia pode sim punir ele da maneira que achar mais adequado (só acho desumano a tortura , mas uma morte rápida para um grave criminoso eu não encontro problemas)

P.S: Cuidado porque daqui a pouco vão te chamar de racista por ter falado neguinho

Texugo disse...

É verdade, nesse mundo de "liberdade de expressão" temos que tomar cuidado, pois qualquer um pode interpretar da pior maneira possível. Dá uma olhada depois nos posts que eu falo de racismo, é bem nessa linha mesmo, hoje em dia tudo mundo fica arrumando qualquer desculpa pra acusar os outros de preconceito.

Soull Vanns Neves disse...

Na minha opinião, o marcos mereceu a pena de morte. Mas o que mais me deixa puto é saber que a Indonésia não é tão santa assim. Sério matar alguém que traficou drogas tudo bem. a lei é rígida etc. Mas pelo numero de pessoas que eles matam, parecem gostar de punir pessoas dessa forma.
Indonésia não presta, realmente tenho vontade de matar os políticos de lá como os políticos daqui, Pena de morte nem sempre é o adquado.

Texugo disse...

Soull, realmente não tem santo na história, não duvido nada que deve ter político ali que faz coisas como aqui. Mas eu penso que certos crimes como tráfico de droga precisam ser sim combatidos, seja com pena de morte ou outra. Debater pena de morte é realmente algo complicado, não temos também que ir para o outro extremo e enforcar até ladrão de galinhas...

O que penso é que de uma forma geral o povo de lá aprova essa decisão. Indonésia é um desses paraísos onde muita gente vai lá pensando naquela vida de sexo, drogas e rock n'roll. Só ver o outro brasileiro que certamente vai ser fuzilado. E como comentei, esse tráfico de drogas acaba contribuindo para muitos outros crimes, precisa sim ser coibido. Pode apostar que vai ter muito malandro aí que vai pensar duas vezes antes de traficar drogas para a Indonésia.

Pior de tudo é resgatar algumas notícias de alguns anos atrás e ver o mesmo governo petralha, que hoje fala grosso e condena a Indonésia, e que respeitou a soberania nacional de Cuba após seu governo decidir fuzilar três sequestradores de um barco que queriam fugir da ilha do Castro.

Fuzilar um traficante de drogas, e a petralhada fica indignada; fuzilar sequestradores de barco, tudo bem, pois Cuba "tinha o direito de se defender da tentativa de desestabilização estimulada pelos Estados Unidos"... Isso que é foda...